sábado, 20 de janeiro de 2018

Quando Deus se silencia (mensagem)


Talvez seja mais fácil ouvir o “não” de alguém do que o próprio silêncio. Pois o silêncio cria uma certa expectativa e aflora a  esperança de ouvir um “sim”. O silêncio demorado incomoda por muito tempo, enquanto o “não” fecha as portas. Mas e quando esse silêncio é de Deus?
Às vezes oramos por uma causa, jejuamos e passamos a investir em prol  do desejado, mas nada acontece. Deus fica em silêncio. Não diz “sim” nem “não”. Os dias, meses, anos passam, a inquietação aumenta, “será amanhã que a bênção chegará?” Deus continua mudo.  Nenhum sinal é recebido para prosseguir a caminhada ou desistir daquela causa.
Como nos falta sabedoria! Deus, ensine o teu povo a lidar com os teus silêncios. Tire a ansiedade e cure as  feridas. Porque com a tua sabedoria até no silêncio o ensinamento acontece, talvez, por conta da sede do benefício almejado, não percebemos o teu agir.

Quando Deus se silencia é porque Ele quer ouvir você.  Ele quer saber até quando você persistirá. Ele está te dando a oportunidade de falar diretamente com Ele. Aproveite o silêncio de Deus, pois se Ele parou foi para lhe dar maior atenção... 

sábado, 9 de dezembro de 2017

Que o seu natal...( mensagem)

Seja mais que um momento de reflexão…
Sobre as coisas realizadas e adiadas para dia, mês ou ano seguinte.
Seja realmente, um natal de transformação.
O que mudou em você  ou o que  você conseguiu mudar com suas atitudes?
Desejar a transformação  do outro não basta.  Dê o primeiro passo.
Se houve mágoa, lembre-se de que o perdão existe.
Se houve choro um dia, a alegria poderá ser mais duradoura.
Se houve cansaço, o descanso é necessário.
Se houve angústia,  aquiete-se o coração,  porque a esperança não morre.
E Natal é mais que uma data.  É a esperança de uma festa da união, solidariedade.
Onde ricos, pobres, brancos, negros, índios possam viver em paz.
Independentes das religiões,  partidos políticos e cores assumidas.
Para que a Paz invada o planeta e cesse todas guerras.
Internas e externas.
Um homem em paz transforma um lar.
Um lar em paz produz filhos saudáveis que modificam um bairro.
Um bairro em paz chama a atenção da cidade.
Uma cidade em paz é cartão postal do estado.
Um estado de paz  é BÊNÇÃO.
Bênção é individual,
Intransferível.
Que o seu Natal seja de bênção.
Paz!
                     E. Amorim

sábado, 7 de outubro de 2017

Procura-se




Procura-se

Uma agulha no palheiro,

Capaz de costurar cada texto

Num ritmo alucinado,

Para que não fique desatado,

E saia sem rumo certo

Em busca de um leitor

Que o abrace de verdade

Seja jovem ou meia-idade. 


 Procura-se

Uma mão amiga

Que não carregue espinhos,

Marcada pela labuta diária

Mas capaz de transmitir carinho,

Neste mundo tão cruel

Onde o mal se estabelece

Fazer o bem é caretice

Filosofia de quintal... 



Procura-se

Aqui, ali, acolá

Uma sociedade mais justa

Onde o pobre, negro, gay possam andar

Livres do preconceito,

Onde direito seja direito

Não importa o lugar.

Entre os fios conectados

Ou entre as palhas a voar

Vou persistir,
Procurar,

Desmontar,

Até a minha agulha encontrar.

E. Amorim/ 2017 

segunda-feira, 3 de julho de 2017

A festa acabou...


Não existem lâmpadas nas praças,
 Todos  os enfeites juninas já retiradas.
Portas já foram tomadas de assalto.
E a segurança pública falhou.
Cadê o José? Cadê a Maria?
José morreu de frio, uma morte Severina.
Do trio elétrico não sai nenhum chorinho.
A festa acabou...

Quando a festa acaba,
Copos, garrafas, sonhos...
No chão.
Não posso gritar
Continuo amordaçado,
Ferido, invisível.
Queria chegar até o mar,
Mas falta transporte publico.

Resta o quê?
Gemer,
Sofrer,
Tremer.
Porque a festa acabou,
E nesse friozinho de inverno,
Sem forró nem arrasta-pé
Sem o meu José, vivo nessa agonia
              Que falta sinto de um cobertor.
              E continua minha vida Maria.


                 Elisabeth Amorim

sábado, 17 de junho de 2017

São João

Image result for imagem de são joão de iaçu

No mês de junho
O nordeste muda de cor
Bandeirinhas tremulam no alto
Fogueiras são queimadas
E a bebida típica é o licor.
Do milho  faz-se a canjica
E o sanfoneiro faz bonito
E a sinhá dança com o sinhô.


Esquecem-se  da seca
Dançam quadrilhas até o sol raiar
Dando “Viva São João!”
O nordestino entra em cena
Cada cidade vira arraiá
Mesmo com a carteira vazia
Sonho? Festa junina...
Com hora marcada para acabar.


Cada vez mais consumista
a festa religiosa regional
Fogos, bolos, licor,
Milho verde, laranja, amendoim...
A comida é tradicional
Não pode soltar balão!
24 de junho vem chegando...
 Xote, baião, forró, sofrência e coisa e tal.











quarta-feira, 17 de maio de 2017

Aprenda a ler poesia

A dica é essa!

 Acesse nosso blog www.toquepoetico.wordpress.com  ou o canal "toque poético" e a literatura chega até você.